.*.*.*.  ANÚBIS .*.*.*.

 

Anúbis, também conhecido como Anupu, ou Anupo e cujo nome hieroglífico é traduzido mais propriamente como Anpu,

é o antigo deus egípcio da morte e dos moribundos, por vezes também considerado deus do submundo.

Conhecido como deus do embalsamamento, presidia às mumificações e era também o guardião das necrópoles e das tumbas.

Os egípcios acreditavam que no julgamento de um morto era pesado seu coração e a pena da verdade (como podemos ver em muitas gravuras egípcias).

Caso o coração fosse mais pesado que a pena, sua alma era destruída para todo sempre,

mas caso fosse mais leve, a pessoa em questão poderia ter acesso ao paraíso.

Anubis era quem guiava a alma dos mortos no Além.

Os sacerdotes de Anúbis, chamados "stm", usavam máscaras de chacais durante os rituais de mumificação.

Anúbis é uma das mais antigas divindades da mitologia egípcia e seu papel mudou à medida que os mitos amadureciam,

passando de principal deus do mundo inferior a juiz dos mortos, depois que Osíris assumiu aquele papel.

A associação de Anúbis com chacais provavelmente se deve ao fato de estes perambularem pelos cemitérios.

O Anúbis era pintado de preto, por ser escura a tonalidade dos corpos embalsamados.

Apesar de muitas vezes identificado como "sab", o chacal, e não como "iwiw", o cachorro,

ainda existe muita confusão sobre qual animal Anúbis era realmente.

Alguns egiptologistas se referem ao "animal de Anúbis" para indicar a espécie desconhecida que ele representava.

Se você comparar com fotos do google, Anúbis tinha a cabeça dum cão da raça Pharaoh Hound.

As cidades dedicadas a Anúbis eram conhecidas pelo grande número de múmias e até por cemitérios inteiros de cães.


A sua mãe é Néftis, que durante uma briga com o marido Seth passou-se por Isis e teve relações com Osíris.

Anúbis é pai de Qeb-hwt, também conhecido como Kebechet.


Em épocas mais tardias, Anúbis foi combinado com o deus grego Hermes, surgindo assim Hermanúbis.


"Nós, os Chacais, sacerdotes de Anúbis, somos os guardiães de suas tumbas gloriosas ou sepulturas humildes.

Somos os guardiães dos mortos. Somos os servos de Anúbis. Somos a Cinópolis."
- Capítulo dos Mortos, Livro de Maat



Luis Saucedo *12h21






Nefertari


Nefertari foi uma grande rainha egípcia, esposa de Ramsés II faraó do Egipto,

cujo nome significa a mais bela, a mais perfeita e é muitas vezes seguida pelo epíteto amada de Mut.


Os pais de Nefertari são desconhecidos, pressupõe-se que a sua origem foi uma familia humilde.

Ramsés II desposou-a antes de suceder a Seti I

 e embora este tenha vivido muito mais tempo que ela e tido outras mulheres

 esta foi sempre designada excepcionalmente como a favorita.

Existem registos da sua presença numa festa em Luxor onde foi apresentada nos seguintes termos:

A princesa, rica em louvores, soberana da graça, doce no amor,

 senhora das duas terras, a perfeita, aquela cujas mãos seguram os sistros,

 aquela que alegra o seu pai Ámom, a mais amada, a que usa a coroa, a cantora de belo rosto,

 aquela cuja palavra dá plenitude. Tudo quanto pede se realiza,

 toda a realidade se cumpre em função do seu desejo e conhecimento,

 todas as suas palavras despertam alegria nos rostos, ouvir a sua voz permite viver.

Interpretando as escrituras à letra Nefertari teria dado quatro filhos e duas filhas a Ramsés II.

 Mas, por vezes, a noção de filho corresponde a um titulo.

 Ao longo do seu reinado, Ramsés II adoptou um número consideravel de filhos régios e filhas régias,

 o que levou certos egiptólogos a crer que tinha sido um procriador proverbial.

Papel politico

No primeiro ano do seu reinado Nefertari foi associada a actos importantes.

 Logo após ter participado na coroação do seu esposo Ramsés II ela foi levada a apresentar-se perante ele em Abidos

 numa cerimónia em que Nebunenef foi nomeado sumo sacerdote de Amon,

 assegurando assim a fidelidade deste rico e poderoso clero tebano.

vê-se nas inscrições egipcias as famosas festas de Min,

 onde a rainha fazia o ritual das sete voltas em torno do trono do faraó

 proferindo as formulas mágicas para perpetuar a prosperidade das Duas terras.

 Este era um ritual sagrado do estado.

Tal como outra rainhas antes,

 Nefertari exerceu um importante papel nas negociações de paz com os povos vizinhos,

 nomeadamente com os hititas,

 correspondendo-se com a sua homóloga a rainha do Hatti.

 



Luis Saucedo *14h05